Novidades do Blog

Qual a diferença entre Pilates e Yoga?

Essa é uma pergunta que muitos fazem, e é uma boa pergunta, considerando as semelhanças que podem ser encontradas entre os dois “métodos”, que também podemos dizer que são estilos de vida. E as semelhanças não são meras coincidências.

Joseph Pilates se baseou em uma série de referências ao compor seu repertório de exercícios e rotinas que até hoje nos encantam, com sua simplicidade e eficiência. Uma delas, declaradamente, foi o Yoga (ou a Yoga, não há um “certo ou errado” neste caso).

Ao tratar soldados na Segunda Guerra Mundial, Joseph Pilates concentrou seus esforços em oferecer rotinas físicas que mesmo pessoas debilitadas pudessem executar. Ao mesmo tempo, essas rotinas precisavam oferecer o máximo de recuperação no menor tempo possível, ou seja, tinham que ser extremamente eficientes.

Os Asanas (posturas) do Yoga se qualificavam como uma referencia óbvia por vários motivos, dentre os quais sua sobrevivência como prática física há mais de 5.000 anos. Nada que fosse capaz de perdurar por um período tão longo poderia ser desprezado como algo reconhecidamente eficiente. Joseph Pilates pessoalmente praticava Yoga e muitos dos exercícios do método têm sim sua inspiração nos Asanas. Lembrando que também praticava também boxe, circo, acrobacias, … que prefiro deixar para os mais entendidos comentar e que interferiram no seu repertório de movimentos.

Obviamente, sabemos que os Asanas são apenas uma parte do Yoga, que ao certo “deve ser feito através do corpo e não para ele” frase de um querido professor que muito aprendi. O Yoga inclui exercícios respiratórios (Pranayama), práticas de limpeza (Kriyas) para chegarmos de forma tranquila ao seu principal estágio: a meditação. Enquanto as práticas meditativas ainda pode ser consideradas um fenômeno recente no Ocidente e os Kryas praticamente desconhecidos, os exercícios respiratórios foram claramente incorporados no Pilates. Ainda que não esteja segregada como uma prática individual, o Pilates dá à respiração uma importância igual à qualidade da execução física de cada exercício e à contrologia.

Pessoas ligadas ao Joseph e Clara contam que no banheiro no fundo do studio eram sugeridos banhos e sistemas de limpeza, coisas que infelizmente foram abandonadas ao longo do crescimento do método.

E fica evidente que Joseph Pilates, devido às condições que envolviam o desenvolvimento do seu método, procurou ser o mais prático possível. Afinal, ele estava tratando de feridos de guerra e provavelmente considerou não urgente a aplicação dos outros aspectos que advêm do Yoga, o que é facilmente compreendido por uma mente ocidental como a nossa.

Voltando a comparação entre este dois método percebemos que o Yoga se dividiu em várias doutrinas, o que de certa forma ocorreu com o Pilates também se pensarmos na influência do trabalho dos Elders.

Como exemplo, no Yoga Tradicional (Hatha) os Asanas são posturas estáticas nas quais o praticamente permanece por um longo tempo, dentro do qual medita sobre as reações de seu corpo às sensações provocadas por cada postura. Mas hoje já existem linhas do Yoga que propõem uma prática mais fluida e com menor tempo de permanência em cada postura. Algumas inclusive buscam transformar o Yoga em uma prática muito mais vigorosa e cheia de ritmo (como a ashtanga, vinyasa, power yoga, …).

Neste espaço discutiremos as semelhanças e diferenças entre Pilates e Yoga, porém de uma forma positiva. Em um período em que a polarização de opiniões é a tônica das discussões virtuais, invariavelmente resultando em agressões de ambos os lados, nossa ideia é somente abordar um exercício ou postura de cada vez, reconhecendo sua origem mas também as vantagens de sua evolução ou adaptação ao longo do tempo.

Por Ge Gurak

Instrutora que atua há mais de 14 anos com Pilates e Yoga e teve a chance de aperfeiçoar-se na Índia, além de possuir especialização em ZEN•GA™ e Garuda®. Conduz suas aulas e cursos no Centro de Treinamento da TcPilates

Compartilhe este Post

Opiniões

Os comentários aqui postados não representam nossa opinião.
A responsabilidade é exclusiva do autor da mensagem.

Dê sua Opinião